Currently set to Index
Currently set to Follow
You are here
Home > Blog >

Tudo sobre Produção Gráfica

produção gráfica

Você trabalha com produção gráfica e deseja aprimorar seus conhecimentos de produção e maximizar seu tempo? Quer operar remotamente de qualquer lugar e fazer sua própria programação? Portanto, continue a leitura deste artigo e nós o ajudaremos.

A criação e produção gráfica digital é um método necessário para imprimir e fundamentar ideias após convertê-las em arquivos digitais.

Como qualquer processo de produção organizado, não importa o método de impressão usado, ele é dividido em vários estágios.

De simples cartões de visita a catálogos complexos, todos os materiais gráficos passam por um processo de produção antes de se tornarem objetos reais. Agora você vai entender cada um deles e ser mais capaz de atingir seus objetivos profissionais. Aqui você não verá apenas as etapas da produção gráfica, mas também muitas informações relevantes sobre esta área.

Veja também: Como Trabalhar com Marketing Digital?

Conheça as etapas da produção gráfica

Como qualquer processo de produção organizado, como mencionamos anteriormente, a produção gráfica se divide em várias etapas, que ocorrem independentemente do método de impressão usado. São elas: projetação, pré-impressão, impressão e acabamento. Veja a seguir mais informações referentes a estas etapas.

1ª etapa: Projetação

O nome é muito esclarecedor e você já deve saber o que é. A projeção se trata da etapa realizada em uma agência ou escritório de designer.

Esta é a etapa para criar o original que será usado para impressão. Algum tempo atrás, na década de 1980, esses originais eram chamados arte-final, mas hoje podemos pensar neles como arquivos gerados por computador, assim como arte legal em flyers e cartões de visita.

Observe, no entanto, que o projeto só pode ser considerado uma arte-final quando está pronto para gerar um modelo de impressão, como uma chapa de impressão usada em uma impressora offset.

2ª etapa: Pré-impressão

Essa etapa acontece logo após a finalização da arte final do original, no bureau de pré-impressão, onde é produzido o fotolito assim como o filme ou máscara utilizada para revelar a chapa de impressão.

A tecnologia de gravação direta na placa de impressão, CTP (Computer Plate Making), não requer o uso de tecnologia de fotolitografia e tem sido usada de maneira quase uniforme. A tendência é deixar de usar o fotorresistente e o próprio CTP, pois os aparelhos mais modernos já permitem que os itens sejam enviados diretamente para a impressora.

No entanto, a pré-impressão também engloba o ato de digitalizar e editar imagens de alta resolução, a depender do tipo e da complexidade de cada projeto.

3ª etapa: Impressão

Essa etapa começa com a produção da matriz, que acontece normalmente na gráfica do material impresso.

Aqui, a atenção ao resultado final é mais importante, e alguns ajustes ainda podem ser feitos durante o processo de impressão para obter melhores resultados na qualidade do produto final. Hoje em dia, a maioria das impressoras conclui automaticamente alguma classificação, como dobrar ou encadernar, e isso também é um processo de classificação.

Veja a seguir alguns cuidados para se ter nesta etapa:

  • Conversão dos arquivos para CMIK: na maior parte dos erros de impressão que acontecem, o problema está nas mudanças de cor. Quando o cliente descobre que a cor do item visto pelo computador difere da impressa, ele pode ficar insatisfeito. Para evitar isso, converta o projeto para CMYK, pois a máquina de quatro cores não tem a capacidade de reproduzir cores Pantone e RGB. Portanto, você pode evitar que o documento final difira do documento aprovado;
  • Sobrecarga do preto: Em alguns casos, ao aumentar a intensidade do preto, o programa pode definir o preto como 100% e outras cores como 0%. Nesses casos, o preto ficará mais cinza e, instintivamente, você também desejará adicionar outras cores. Porém, o resultado não é dos melhores, pois pode haver bolhas na impressão devido à quantidade de cores aplicadas. Quando isso acontecer, em vez de usar 100% em todas as cores, é melhor colocar 100% em preto e 30% em ciano, porque é mais seguro;
  • Sangria e margem de segurança: O impresso precisa passar por outros procedimentos antes de chegar ao cliente, e o acabamento é um deles. Nesse processo, algumas partes da impressão podem ser descartadas para que fique com as mesmas proporções e qualidade. Para evitar problemas no futuro, crie margens de sangramento e segurança no projeto, pois sem esse cuidado, o processo de agrupamento pode cortar informações importantes no material, como textos, imagens e logotipos.

4ª etapa: Acabamento

A etapa do acabamento varia mediante o tipo de projeto, complexidade e tipo de acabamento pretendido. Dependendo do tamanho da gráfica, ela pode executar esta etapa por conta própria.

Se for uma pequena gráfica, você pode pedir a uma empresa especializada nesse tipo de trabalho que resolva. O acabamento inclui tudo após a impressão, como numeração, corte, dobra, verniz e revestimento, grampos, encadernação, etc.

Veja a seguir alguns tipos de acabamento:

  • Laminação: a laminação é usada para proteger e melhorar o trabalho. Nesse processo de finalização, uma camada de filme plástico é colocada sobre o papel, que pode ser brilhante ou fosco. Esse tipo de acabamento é caro, mas tem alta resistência ao rasgo, resistência à abrasão e resistência ao desbotamento. Geralmente é aplicado a catálogos, cartões, livros e outros materiais;
  • Verniz: semelhante à laminação, o verniz é um corante transparente aplicado nas estampas para apresentar brilho e aparência delicada. Este material é amplamente utilizado em design de detalhes e papel fino, chamado ultravioleta parcial porque combina bem com o laminado fosco para criar detalhes elegantes;
  • Dobra: dobrar é um trabalho gráfico automatizado. É comumente usado em pastas, revistas, livros e folhetos. O peso utilizado nesta técnica é de cerca de 150 gramas, o menor peso encontrado por ser fácil de dobrar. Esta é uma boa opção para quem deseja um projeto simples e prático;
  • Vinco: vincos são acabamentos marcados feitos em papel e usados ​​como um guia para fazer dobras. Este tratamento de superfície garante que o papel não se danifique ao dobrar, evitando assim a degradação da sua qualidade. Os vincos também são usados ​​para criar acabamentos estéticos e uma de suas grandes vantagens é o baixo custo. Portanto, é amplamente utilizado em menus, pastas e convites.

Deixe uma resposta

11 + twelve =

Top